CRM 36322
ginecologia e obstetrícia
imunologia da reprodução
medicina fetal

voltar notícias

Homens doam sangue para que possam se tornar pais
ago.2008

 

Folha de São Paulo

CLÁUDIA COLLUCCI
da Reportagem Local - Folha de São Paulo

Vacina feita com células do sangue do marido ajuda mulheres a manter gestação. Com a imunização, o corpo da mulher passa a produzir anticorpos que identificam as proteínas de origem paterna no embrião.

Muitos homens estão, literalmente, dando o sangue para conseguirem ser pais. Uma vacina feita com células do sangue do marido promete fazer com que mulheres que sofram abortos recorrentes por fatores imunológicos "segurem" a gestação até o final.

O aborto de repetição é caracterizado pela perda de duas ou mais gestações antes da 20ª semana. Afeta até 5% dos casais em idade reprodutiva. Nesses casos, uma das hipóteses é que o organismo feminino reconhece o embrião como um "invasor" (por causa da carga genética do pai) e o expulsa. Com a imunização, o corpo da mulher passaria a produzir anticorpos que identificam as proteínas de origem paterna no embrião e não mais o rejeita.

O tratamento é controverso por falta de evidência científica -não tem aprovação nem nos EUA e nem na Europa-, mas está disponível em oito Estados brasileiros, com taxa média de eficácia de 80%, segundo os médicos que o adotam. No SUS, apenas a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) oferece a terapia, com fila de espera mínima de seis meses.

Segundo o ginecologista Ricardo Barini, coordenador do ambulatório de aborto recorrente da Unicamp, a causa mais freqüente dos abortos de repetição é a rejeição do sistema de defesa do organismo da mãe às características do embrião herdadas do pai.

Ele explica que, na maioria das gestações, essa adaptação imunológica do corpo da mulher ao embrião ocorre normalmente. "Se o sistema imunológico da mulher não compreende a mensagem e não protege o feto, a gravidez não se desenvolve. O organismo da mulher a interpreta como se fosse uma doença que estivesse tentando agredi-lo", diz ele.

Barini reforça que, antes de indicar a vacina, é preciso se certificar de que o aborto tem causa imunológica, descartando outros fatores como problemas genéticos, má-formação do embrião e doenças infecciosas e uterinas. Ele também indica o tratamento em casos de falhas sucessivas de implantação do embrião durante a FIV (fertilização in vitro)

A alteração imunológica pode ser diagnosticada por meio de exame (crossmatch) onde são analisados o sangue da mulher e o do marido. Se o resultado der negativo (o que pode ser sinal da incompatibilidade), é indicada a vacina feita com sangue (linfócitos) do parceiro.

Segundo o ginecologista Artur Dzik, diretor da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana, não existem na literatura internacional grandes trabalhos científicos demonstrando a eficácia da vacina. O também ginecologista Ricardo Baruffi reforça que o último guia de investigação de aborto recorrente publicado pelo periódico científico "Human Reproduction" disse que o tratamento não oferece nenhum benefício comprovado.

Ainda assim, a maioria dos médicos que trabalha com reprodução assistida indica a vacina, quando descartadas as outras possíveis causas de aborto recorrente.

Em casos de FIVs frustradas, Dzik é contra o uso da vacina. "O crossmatch feito para constatar [a causa imunológica] é sempre negativo no casal que nunca engravidou. Então não há razão para a vacina." O urologista Edson Borges compartilha a mesma opinião. Ele avalia que a vacina possa ser uma boa alternativa para abortos de repetição até a 10ª semana, mas descarta seu uso na FIV. "Cada vez mais estamos convencidos de que as falhas de implantação [do embrião] ocorrem por falhas genéticas dos gametas."

CASAL DE SP ADOTA MÉTODO COM SUCESSO APÓS SOFRER DOIS ABORTOS

Após quatro anos em busca da paternidade, o advogado Evandro Justiniano, 40, de São Paulo, passará este domingo, Dia dos Pais, trocando fraldas e embalando sua pequena Laura, de dois meses e meio. Ele e a mulher, a também advogada Elaine, 33, sofreram dois abortos anteriores antes da gravidez da menina. Laura nasceu após sua mãe tomar vacinas feitas a partir do sangue do marido. A seguir, o depoimento de Justiniano.

"Sempre fui um cara tradicional, que pensava em casar na igreja e ter filhos. Casamos em 1999, mas quisemos investir na nossa carreira profissional. A partir de 2004, pensamos em ter um filho. Mas aí começaram os problemas. Tivemos duas perdas de bebês, foi muito traumático para nós.

Fizemos uma investigação genética, vários exames para investigar as causas dos abortos, até que chegamos a esse tratamento com a vacina com o sangue do homem.

Muitos médicos nos disseram que a vacina não tinha evidência científica e que podia ser que uma terceira gravidez acontecesse sem problemas. Não queríamos pagar para ver e sofrer o risco de passar novamente por todo o trauma.

Fizemos a vacina com meu sangue e deu tudo certo. Minha filha está aí linda, com saúde. Eu sou um pai muito participativo, gosto de trocar fraldas, de cuidar. E acho muito bacana ter contribuído, também com meu sangue, para que ela pudesse estar aqui hoje."

 

Consultório Campinas-SP:
Rua Antonio Lapa 280 sala 305, Cambuí CEP 13025-240 Veja o mapaDownload PDF
Fone/fax: 19 3294 5807
Consultório São Paulo-SP:
Rua do Rocio 423 Cj.312, Vila Olímpia CEP 04552-000 Veja o mapaDownload PDF
Fone/fax: 11 3846 2409
®2010 Dr. Ricardo Barini - Todos os direitos reservados.
criação: guto lacaz - desenvolvimento: zinga / rota01