CRM 36322
ginecologia e obstetrícia
imunologia da reprodução
medicina fetal

voltar|questões mais frequentes

O que é a Imunoterapia com Leucócitos (ou Linfócitos)?

A imunoterapia com leucócitos (LIT) (ou linfócitos, uma das populações das células brancas, que compõem o sistema de defesa humano) foi primeiramente estudada em animais por Dr. Alan Beer, no período de 1970-1997. Foi utilizada em mulheres com história de aborto de repetição (ou aborto recorrente) pela primeira vez em 1978.

Dr. Beer foi o primeiro a apresentar uma teria e dados envolvendo a LIT como uma possibilidade terapêutica para casos de aborto de repetição em 1979, durante o Congresso de Imunologia do Transplante em Paris, na França.

A Imunoterapia com linfócitos tem sido utilizada também para pacientes com infertilidade sem causa aparente que apresentam falhas repetidas de Fertilização in vitro e transferência de embriões (FIVETE).

Além da LIT, existem outras formas de imunoterapia que visam converter uma resposta imunológica inadequada Th-1 em resposta imune normal Th-2, tais como imunoglobulina humana intravenosa, corticóide e drogas anti-TNF, estas últimas ainda em estudo para uso em reprodução humana.

Veja o quadro abaixo com o equilíbrio necessário das linfocinas

Pacientes que necessitam LIT são pacientes com história de aborto de repetição, casais inférteis que apresentam falhas repetidas em reprodução assistida e não apresentam anticorpos bloqueadores (anti-linfocitários) quando testados laboratorialmente (veja em como interpretar o teste de crossmatch ou prova cruzada). Também são consideradas como candidatas as pacientes que apresentam resposta imune inadequada, com produção de linfocinas (ou citocinas, produtos de excreção dos linfócitos) predominantemente Th-1.

A LIT consiste em imunizações intradérmicas, preparadas a partir de sangue do parceiro, e administradas em duas ocasiões, com intervalos de 3 a 5 semanas. Após um mês da segunda imunização a paciente realiza um novo exame para identificar se já está produzindo os anticorpos bloqueadores. Aproximadamente 80% das pacientes respondem ao tratamento inicial. As demais necessitam de reforços de imunização. Como esse grupo tem mais dificuldade de responder ao estímulo do parceiro, sugerimos uma nova seqüência de três imunizações, uma a cada quinze dias e repetir a prova cruzada um mês depois da última dose. Desse grupo (20% do grupo inicial) aproximadamente um terço irá precisar de se submeter a mais uma seqüência de imunizações. Agora, para aumentar a potência do estímulo imunológico, propomos a associação das células do companheiro em um braço e de um doador não aparentado no outro, em duas ocasiões, com intervalo de quatro semanas. Mais uma vez, repete-se o teste de crossmatch e praticamente todas as pacientes terão respondido positivamente no novo exame. As raríssimas mulheres que não responderem, deverão fazer mais uma seqüência como novo doador não aparentado.

Há outros grupos que sugerem um esquema terapêutico em que a mulher é imunizada a cada três semanas, até que seu crossmatch fique positivo. Em alguns casos isso pode levar até seis meses ininterruptos.

Pacientes com resultado do teste pós-imunização positivo, devem fazer reforços a cada três meses enquanto estiverem tentando nova gravidez. Durante a gravidez, recomenda-se uma dose de reforço a cada quatro semanas na primeira metade da gestação, para manter os níveis de anticorpos bloqueadores elevados, que exercem papel fundamental na gravidez.

O principal efeito da LIT é promover o aparecimento dos anticorpos bloqueadores. Observa-se também, como um efeito da LIT, uma diminuição da atividade das células NK e conversão da resposta TH-1 em TH-2. A elevação no número e na atividade das células NK são indicadores de mau resultado gestacional, aborto recorrente e falhas em fertilização in vitro. Essas pacientes são caracterizadas como categoria cinco, como proposto pelo Dr. Beer e colaboradores.

Previamente à preparação da LIT, realizam-se rigorosos testes de triagem no sangue do esposo e no dos doadores (quando necessário) para as doenças infecciosas transmitidas por via hematogênica (pelo sangue). Indivíduos identificados como portadores de hepatite B ou C, imunodeficiência adquirida (HIV), sífilis, doença de Chagas ou HTLV (uma doença viral, cujo vírus é da família do HIV) são considerados inapropriados para doação de sangue e para o tratamento imunológico com imunização com concentrado de leucócitos. É importante lembrar que as mulheres Rh negativo, cujos parceiros ou doadores forem Rh positivos, devem receber uma dose de imunoglobulina anti-Rh, depois de cada imunização com leucócitos, para evitar a sensibilização pelo fator Rh (a doença do Rh ou isoimunização pelo fator Rh, ou ainda aloimunização Rh).

Ricardo Barini, 2006-10-17
 

Consultório Campinas-SP:
Rua Antonio Lapa 280 sala 305, Cambuí CEP 13025-240 Veja o mapaDownload PDF
Fone/fax: 19 3294 5807
Consultório São Paulo-SP:
Rua do Rocio 423 Cj.312, Vila Olímpia CEP 04552-000 Veja o mapaDownload PDF
Fone/fax: 11 3846 2409
®2010 Dr. Ricardo Barini - Todos os direitos reservados.
criação: guto lacaz - desenvolvimento: zinga / rota01